O Momento NRx

Este não é ele.

O fenômeno Trump realmente é algo, uma crise da democracia e um despedaçamento da Janela de Overton muito inclusos, mas não é uma coisa intrinsecamente direitista e é radicalmente populista em natureza. Uma exploração reacionária do demotismo não é um episódio neorreacionário. É a Alt-Right que tem o devido crédito da captura do espírito deste desenvolvimento. Não somos nós.

A NRx está situada absolutamente fora da política de massa. Seu momento raia apenas quando a Era das Massas estiver concluída.

Ela estará concluída. A emergência da propriedade soberana (primária), liberada do critério da legitimação democrática é seu sinal. O governo, nestas bases, é neocameral. As tendências históricas profundas que a suportam incluem:

(1) Propriedade apolítica. Nenhuma realidade ou concepção dessa foi historicamente realizada ainda. Pois, enquanto a propriedade for determinada como uma relação social, ela não poder ser. A propriedade absoluta é criptográfica. Ela é mantida, não por consentimento social e, assim, acordo político, mas por chaves. Fnargl é um experimento mental provocador, mas as chaves privadas da CCP são um fato inegociável. Elas definem a relação de propriedade com um rigor que toda a história precedente da filosofia e da economia política foi incapaz de alcançar. Tudo que se segue da transição criptográfica – o Bitcoin mais notavelmente – contribui para o estabelecimento de um sistema de propriedade para além da prestação democrática de contas (e, desta forma, insensível à Voz). A administração neocameral implementa um estado criptográfico, estritamente equivalente a um governo completamente comercializado.

(2) Capital autônomo. A definição da corporação como uma pessoa legal estabelece as bases, dentro da modernidade, para a agência comercial abstraída que logo será realizada em ‘Corporações Autônomas Digitais’ (ou DACs). A escala da transição econômica assim implicada é difícil de superestimar. O consumo de massa enquanto fonte básica de receita para a empresa capitalista é superado em princípio. A convulsão iminente é imensa. O desenvolvimento industrial autopropulsor se torna seu próprio mercado, liberado da dependência de desejos de consumo populares (ou popularizáveis) arbitrários. A administração da demanda, enquanto base da governança macroeconômica, acabou. (Ninguém está remotamente pronto para isto ainda.)

(3) Segurança robótica. O rebaixamento definitivo das massas militares completa a trifeta. A massa armadas enquanto modelo da cidadania revolucionária declina à insensatez, substituída por drones. A Asabiyyah deixa inteiramente de importar, não importa o quanto continue a ser um foco de apego romântico. A industrialização fecha o ciclo e protege a si mesma.

O grande jogo, para as agências humanas (de qualquer escala social) se torna um de cooperação produtiva com formações de propriedade soberana, com a ameaça de violência política de massa varrida da mesa. A Alt-Right não é qualquer tipo de preparação para isto. Sua aventura é bastante diferente, o que não quer dizer que seja desinteressante ou – no curto prazo – inteiramente sem consequências, mas é exaurida por seu demotismo. Ela pertence à era que está morrendo, não à que está nascendo.

A modernidade sócio-política tem sido um argumento sobre distribuições de propriedade, e a Alt-Right agora demonstrou que a Esquerda (auto-consciente) não tem qualquer monopólio sobre isso. Conforme a senescência se aprofunda, a dialética rasga toda a estrutura apodrecida em pedaços. A NRx – quando entende a si mesma – não está argumentando.

Original.
Advertisements

O Utilitarismo é Inútil

O utilitarismo é completamente inútil enquanto ferramenta de política pública, descobre Scott Alexander (ele não coloca isso bem assim). Em suas próprias palavras: “Sou forçado a reconhecer que a pesquisa sobre felicidade continua sendo um campo muito estranho, cujas conclusões não fazem qualquer sentido para mim e que me tentam a crenças e ações loucas se eu levá-las a sério”.

Por que isso deveria nos surpreender?

Somos todos adultos (darwinistas) aqui. A variação entre prazer e dor é um sistema de orientação comportamental que evoluiu. Dadas opções, ao nível do organismo individual, ele incita a certos cursos e dissuade de outros. A configuração de equilíbrio, que corresponde à funcionalidade ótima, tem que ser estabelecida próxima do neutro. Como uma ‘tendência de felicidade’ de longo prazo, sob tais condições (minimamente realistas), poderia fazer qualquer sentido que seja?

Qualquer coisa remotamente parecida como uma felicidade crônica que não tenha que ser ganha, sempre no curto prazo, por um comportamento selecionado – em algum nível de abstração -, ao longo da história profunda, por sua adaptabilidade, não é apenas inútil, mas positivamente deletéria para a pilotagem biologicamente herdade (cibernética). Cenouras e paus funcionam em um animal que não esteja nem saturado à saciedade, nem desarranjado por alguma extremidade de agonia derradeira. Se ele não se restabelecesse próximo ao neutro, ele seria desfuncional, e a seleção natural teria feito pouco trabalho com ele. (Os gráficos inclusos no posto do SSC fazem perfeito sentido dadas tais suposições.)

O prazer não é um fim, mas uma ferramenta. Entendido de maneira realista, ele pressupõe outros fins. Torná-lo um fim em si mesmo é lançar-se no buraco negro da filosofia dos implantes cerebrais (1,2). É precisamente por que os ‘utils’ têm uma utilidade biológica predeterminada que eles são inúteis para o cálculo de qualquer outra coisa.

Estabeleça fins sérios ou vá para casa. A felicidade certamente não é um. (Otimize a inteligência.)

ADICIONADO: As seções de dicussão no SSC são enormes demais para se guiar, mas este é o primeiro a chegar (próximo) do que eu argumentaria que é o ponto. Bastante provavelmente há outros que o fazem.

Original.

Democratização do X-Risco

Yudkowsky revisto: “A cada dezoito meses, o QI mínimo necessário para destruir o mundo cai em um ponto”.

Tergiverse sobre a programação (satírica da Lei de Moore), e o ponto ainda está de pé. A capacidade dissuasiva massiva tende a se espalhar.

Isso é ‘democrático’ na maneira em que o termo é comumente usado por aqueles que buscam aferrolhar as tendências de descentralização à credibilidade ideológica dos princípios de legitimação jacobinos. O capitalismo de consumo, a Internet e cripto-sistemas peer-to-peer são teoricamente ‘democráticos’ desta maneira. Eles subvertem a governança centralizada e se espalham através do contágio horizontal. O fato de que eles não tem absolutamente nada a ver com a representação política popular é de interesse de apenas certas agendas retóricas, e de forma alguma de outras. É besteira sofística pop-capitalista usar a palavra democracia desta maneira, mas normalmente não vale a pena para a Esquerda o trabalho de contestá-la, e a parte da Direita que não está animada em andar de carona nessa estratégia de propaganda normalmente é indiscriminada demais para se incomodar em se desembaraçar dela. Há um raro artigo de RP ‘direitista’ funcional aqui, mas nunca o suficiente para importar muito (e é essencialmente desonesta demais para a Direita Exterior defender).

Ao contrário da Democracia® (ideologia da Catedral), contudo, essa ‘democratização’ tem uma profunda consistência cibernética. Ela cai para fora do tecno-capitalismo com tamanha inevitabilidade automática que provavelmente é impossível de desligar sem encerrar a coisa toda. A escalação do capital produz a deflação tecnológica como seu subproduto metabólico básico, de modo que a ‘democratização’ da capacidade produtiva é inelutável. Os computadores migraram de exóticos bens de capital para componentes triviais de produtos de consumo dentro de meio século. Estude essa tendência e você verá toda a estória.

A deflação da dissuasão é a tendência profunda. Conecte a citação de Yudkowsky com os mercados de assassinato para chegar onde ela está indo. (Tente engavetar os escrúpulos morais até depois que você estiver vendo a figura.)

Imagine, hipoteticamente, que algum agente privado maníaco queira apenas lançar uma bomba atômica em Meca. Qual é a obstrução? Podemos confiantemente dizer – de uma vez só – que é um problema cada vez menor com cada ano que passa. A tendência histórica básica garante isso. Fanáticos islâmicos comparativamente incompetentes são as únicas pessoas testando com seriedade essa tendência nesse momento, mas isso não vai durar para sempre. Eventualmente, agentes mais inteligentes e mais estrategicamente flexíveis vão adquirir interesse na capacidade descentralizada de destruição em massa e eles fornecerão uma indicação bem melhor de onde está a fronteira.

Bombas nucleares fariam isso. Elas certamente vão ser democratizadas, no fim das contas. Existem provavelmente capacidades acelerantes de ADM muito mais notáveis, no entanto. Em quase todos os aspectos (capacidade de produção descentralizada, curva de desenvolvimento, economia, impacto…) armamentos biológicos deixam os nucleares na pó. Qualquer um com um bilhão de dólares, um rancor sério e um perfil de sociopatia de ponta poderia entrar em um jogo de ameaça de guerra biológica global dentro de um ano. Tudo poderia ser reunido em garagens secretas. As negociações poderiam ser conduzidas em segura anonimidade. Esculpir uma soberania a partir do jogo exigiria apenas recursos, crueldade, brilhantismo e nervos. Uma vez que você possa crivelmente ameaçar a matar 100.000.000 de pessoas, todos os tipos de oportunidade estratégicas estão abertos. O fato de que ninguém tentou isso ainda em grande parte se resume aos bilionários serem gordos e felizes. Só é necessário de um Doctor Gno para quebrar o padrão.

Essa é a sombra lançada sobre o século XXI. Jogos massivamente descentralizados de dissuasão incondicionalmente radicais são simplesmente inevitáveis. Qualquer um que pense que o estado do status quo detém algum tipo de supremacia de longo prazo sob essas circunstâncias não está vendo nada.

Um governo global totalitário poderia parar isso! Mas isso não vai acontecer – e já que ele não vai, isso irá.

Original.

Doctor Gno II

O Kokomo pretende ser uma espécie de base domiciliar, aonde viajantes entusiastas podem ir em seus helicópteros e barcos – ou iates submersíveis. A Migaloo também tem um conceito para um híbrido iate-submarino no qual os super-vilões provavelmente mal podem esperar para colocarem suas mãos. Sério, esta companhia está nos inspirando a inventar tantos enredos de filme. (Fonte.)

ka00-e1461252123581

Da ABC: “Chega de ficar preso em um único lugar. Esta ilha privada flutua. …A ilha – que contará com uma cobertura, deck de selva com cascata e uma área refeições ao ar livre – seria a primeira no mundo a operar com sua própria energia, de acordo com a companhia. …A inclusão de jardins verticais, palmeiras e mesmo uma estação de alimentação de tubarões ‘adicionam elementos mais naturais à ilha náutica’, de acordo com a companhia.”

Tecnologias de saída vão ser difíceis de parar.

A segurança mais forte ainda precisa de algum trabalho, motivo pelo qual o tema de Vilão do Bond surge tão previsivelmente. A capacidade de dissuasão no nível inter-estatal só pode ser uma questão de tempo. Para citar o feiticeiro secreto do basilisco neorreacionário, Eliezer Yudkowsky: “A cada dezoito meses, o QI mínimo necessário para destruir o mundo cai em um ponto”. Então, tudo que é necessário é paciência.

O Doctor Gno é um tipo frio. Ele aguardará calmamente o tempo que for necessário para operacionalizar a estratégia de escape (mas, com sorte, não muito mais tempo).

“Alimentar tubarões” ou jogar pessoas para fora de helicópteros – é sequer uma questão?

Original.