Morpheus: Eu imagino que você esteja se sentindo um pouco como a Alice. Hm? Entrando pela toca do coelho?
Neo: Você tem razão.
Morpheus: Eu vejo nos seus olhos. Você tem o olhar de um homem que aceita o que vê porque está esperando acordar. Ironicamente, não deixa de ser verdade. Você acredita em destino, Neo?
Neo: Não
Morpheus: Por que não?
Neo: Porque não gosto da ideia que não controlo minha vida.
Morpheus: Sei exatamente o que quer dizer. Vou lhe dizer por que está aqui. Você está aqui porque você sabe de algo. O que você sabe, você não consegue explicar, mas você sente. Você sentiu a sua vida inteira que há algo de errado com o mundo. Você não sabe o que é , mas está lá, como um zunido na sua cabeça, te enlouquecendo. Foi esse sentimento que te trouxe até mim. Você sabe do que estou falando?
Neo: Da Matrix?
Morpheus: Você deseja saber o que ela é?
Neo: Sim.
Morpheus: A Matrix está em todo lugar. Em toda nossa volta. Mesmo agora, nesta sala. Você pode vê-la quando olha pela janela ou quando liga sua televisão. Você a sente quando vai para o trabalho… quando vai à igreja… quando paga seus impostos. É o mundo que foi colocado diante dos seus olhos para lhe cegar à verdade.
Neo: Que verdade?
Morpheus:[se inclina para perto de Neo] De que você é um escravo, Neo. Como todo mundo, você nasceu num cativeiro. Nasceu numa prisão que não consegue sentir ou tocar. Uma prisão para sua mente.
[pausa]
Morpheus: Infelizmente, é impossível dizer o que é a Matrix. Você tem de ver por si mesmo. [Abre uma caixa de pílulas, esvazia os conteúdos nas palmas das mãos e estica sua mãos] Esta é sua última chance. Depois disso, não há como voltar. Se tomar a pílula azul [abre sua mão direita para revelar uma pílula azul translúcida], a estória acaba, e você acordará na sua cama acreditando no que quiser acreditar. Se tomar a pílula vermelha [abre sua mão esquerda, revelando uma pílula vermelha similarmente translúcida], ficará no País das Maravilhas e eu lhe mostro até onde vai a toca do coelho. [Neo apanha a pílula vermelha] Lembre-se: tudo que ofereço é a verdade. Nada mais.

– Esta é versão dos irmãos Wachowski do Platonismo Gnóstico e ela acerta exatamente quase tudo. A Alegoria da Caverna, de Platão (no Livro VII da República), conta precisamente a mesma estória, mas com um elenco mais barato, efeitos especiais inferiores e menos drogas. Não é surpreendente que o Iluminismo Sombrio tenda a ficar com o remake, conforme fica Neo(reacionário).

A chave crítica para a gnose é a percepção de que todo o seu mundo é um lado de dentro, que implica em um Lado de Fora e na possibilidade radical de escapada. O que parecera ser realidade ilimitada é exposto como um receptáculo, desencadeando uma partida abrupta, saindo um sistema de ilusão. Tudo o mais é meramente a rota tomada para nos alcançar, adaptada às ruínas. As especificidades da estória são restrições das quais se livrar retorcendo-se, uma vez que suas funções foram exauridas, como ganchos, dentes cerrados, circuitos de replicação memética e manchas de camuflagem. Contanto que uma diferença interior / exterior seja efetivamente comunicada, os detalhes narrativos são incidentais.

A versão chinesa, que talvez tenha se originado com Zhuangzi, descreve um sapo em um poço, que nada sabe sobre o Grande Oceano (井底之蛙,不知大海). Esta simples fábula já é completamente adequada às mais exaltadas ambições da filosofia mística.

Colocar as coisas em caixas ou retirá-las de caixas é o todo do pensamento, tão logo as ‘coisas’ possam, elas mesmas, serem tratadas como caixas. Categorias e conjuntos são caixas, de modo que mesmo dizer “um A é um B” é efetuar uma operação de inclusão ou inserção, através da qual a ‘identidade’ é primordialmente aplicável. Ser é estar dentro. Colocar uma espécie dentro (ou ‘sob’) um gênero tem uma originalidade cognitiva insuperável, estendendo-se até o horizonte mais distante da ontologia (uma vez que um horizonte ainda é uma caixa). Conter, ou não conter, é a primeira e última relação inteligível. Caixas são básicas.

Tomar a pílula vermelha é escalar para fora de uma caixa. Ao mostrar a jaula, já alcança uma liberação cognitiva e, assim, fornece um modelo para qualquer escapologia prática que haja para seguir. Saber como deixar uma caverna ou um poço já é saber – de maneira abstrata – como deixar um mundo (e a abstração não é nada além de exterioridade).

O que é inescapável, a não ser através de uma auto-escravização precipitada, é a desagradabilidade social do Iluminismo Sombrio. A gnose é ineliminavelmente hierárquica e, na melhor das hipóteses, condescendente (quando não abrasivamente desdenhosa), porque uma mente livre não pode fingir igualdade com uma mente escrava, independente do escárnio lançado contra ela por causa disso. Como Brandon Smith observa:

Frequentemente se diz que há apenas dois tipos de pessoas neste mundo: aquelas que sabem e aquelas que não sabem. Eu expandiria isto e diria que há, na verdade, três tipos de pessoas: aquelas que sabem, aquelas que não sabem, e aquelas que não se importam em saber. Membros do último grupo são o tipo de pessoa que eu caracterizaria como “sheeple”.

As ‘sheeple’ de Smith não são meramente ignorantes, mas ativamente auto-enganadoras. Ao tomarem a pílula azul, elas optaram por residir na prisão de mentiras. É neste ponto, contudo, que a metáfora farmacêutica muda de gancho para obstáculo, porque não há nenhuma ‘pílula azul’ ou qualquer coisa funcionalmente equivalente além da própria Matrix como um todo (o que seria dizer, claro, a Catedral).

Um ponto crítico da análise política e social é alcançado aqui, e é um que continua a evadir a apreensão definitiva, devido a suas elusivas sutilizas. Entre o arquiteto oculto da Matrix e as sheeple que tomam a pílula azul, ou “rio de carne“, não há nenhuma ordem simples de maestria, seja indo na direção óbvia (da elite doutrinária para a massa doutrinada) ou na alternativa democrática-perversa (colocando a especialidade a serviço da ignorância popular e suas vulgaridades). A Matrix é tanto um objeto de apego popular ‘genuíno’ quanto um aparato de controle mental sistemático. Ela é mais verdadeiramente democrática quando atinge mais completamente seu estado de clímax na falsidade totalitária leve. A máquina de propaganda não é menos do que um circo. O que é exigido – o que sempre foi exigido – é a mentira.

A invocação mais recente da pílula vermelha por Moldbug diz:

Eu acho que escolhi minha candidata para a Pílula em si. E vou ficar com ela. Minha Pílula é:

A América é um país comunista.

O que eu gosto sobre esta afirmação é que ela é ambígua. Especificamente, ela é uma ambiguidade Empsoniana do segundo ou talvez terceiro tipo (eu nunca realmente entendi a diferença). Incorporada como está na louca tapeçaria da história do século XX, AEUPC pode ser interpretada de inúmeras maneiras.

Todas estas interpretações – a menos que inventadas como um espantalho intencional e obviamente idiota – são absolutamente verdadeiras. Às vezes elas são obviamente verdadeiras, às vezes surpreendentemente verdadeiras. Elas são sempre verdadeiras. Porque a América é um país comunista.

A verdade é que a América serve ao povo através da mentira. Esta é a ‘escolha’ representada pelo progressismo (= comunismo), instalado, em um estado altamente acabado, por mais de um século, como auto-engano popular triunfante. O serviço fornecido – e exigido – é o engano. Se as pessoas virem através da mentira, a insatisfação resultante não derivará do fato de que se mentiu para elas, mas da revelação de que não se mentiu para elas bem o suficiente. Algo poderia ser mais claro do que isso? Os surtos de ira popular ocorrem exatamente naquelas momentos em que a realidade ameaça a se manifestar – quando a Matrix falha. “Nós os elegemos para nos esconder a verdade”, o povo guincha, “então apenas façam o seu maldito trabalho e façam a realidade desaparecer”.

Não há nenhuma pílula vermelha para salvar a sociedade. Imaginar que poderia haver é não entender nada.

Original.
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s